Fique por dentro das novidades em nosso Instagram

Acesse agora Acesse agora
AXS Energia
Quero Contratar Área do cliente
Home
Blog
Transição energética sustentável é urgente e há incentivo para modelos mais limpos no país. Saiba quais são
Transição energética sustentável é urgente e há incentivo para modelos mais limpos no país. Saiba quais são

Transição energética sustentável é urgente e há incentivo para modelos mais limpos no país. Saiba quais são

Autor do post Luisa
Data do post 08 / mai / 2024
Tempo de leitura NaNmin de leitura

Em 2023, as emissões de dióxido de carbono ligadas à geração de energia aumentaram 1,1% e representaram um novo recorde global, de acordo com relatório da Agência Internacional de Energia (AIE).

O número, que chegou a 37,4 bilhões de toneladas do gás, seria resultado de secas que, por sua vez, reduziram a parcela de energia hidrelétrica utilizada no mundo. Sem água, os países frequentemente acionam fontes de energia poluidoras, como as termelétricas, movidas a combustível fóssil.

Se a mudança no regime de chuvas, que afeta o funcionamento das usinas hidrelétricas, é consequência direta das mudanças climáticas e, originalmente, as emissões de gases do efeito estufa são as grandes responsáveis por elas, constata-se que é urgente que haja uma transição energética sustentável.

Energia solar no Brasil

No Brasil, cerca de 50% da matriz energética é limpa e sustentável. O país é protagonista, segundo a AIE, e líder na América Latina quando se trata da expansão da energia renovável. O grande potencial para a geração de energia solar se dá, em grande parte, em função da sua localização geográfica privilegiada, que propicia a incidência de luz solar ao longo de todos os meses do ano.

Segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), a energia solar está entre as maiores fontes renováveis utilizadas no país, correspondendo a 18% da matriz elétrica local. Essa quantidade é oriunda de usinas de geração centralizada conectadas ao Sistema Interligado Nacional.

Quando se trata da geração distribuída, no entanto, a energia solar perde apenas para as usinas hidrelétricas, superando 41 GW. Desse número, 13 GW correspondem a grandes usinas e 28 GM vêm de sistemas de geração de pequeno e médio portes, diz a Associação Brasileira de Energia Fotovoltaica (Absolar).

Países se mobilizam pela adoção da energia solar

Mais de 300 políticas para incentivo à geração e uso de energia solar estão em vigor ao redor do mundo. Cada uma das iniciativas pode ser pesquisada no site da Agência Internacional de Energia (AIE). Entre os países com mobilização mais recente estão o Líbano, a Estônia, a Indonésia e os Estados Unidos.

Fundos de financiamento, leilões e suportes para a transição energética em áreas rurais são alguns dos exemplos. O Fórum Econômico Mundial destaca, ainda, a Alemanha, que permite que quem produz energia em casa possa vender para a rede. Além de promover incentivos fiscais a quem faz reformas para deixar as casas energeticamente eficientes.

O mesmo acontece na Austrália, país que tem o objetivo de ter toda a sua matriz energética renovável até 2030. Lá, residências com pequenas centrais de geração de energia - sejam elas solares, eólicas ou hidrelétricas - são beneficiadas por incentivos fiscais.

A China já é líder em geração de energia renovável, avalia o Fórum. De acordo com a entidade, um em cada cinco painéis solares instalados no mundo vão parar em telhados do país. Residências e prédios comerciais têm isenção de tarifa para injeção da energia produzida na rede.

Brasil tem regulamentação favorável e esforços legislativos

Incentivos governamentais têm sido importantes para a transição energética e para o mercado de energia solar no Brasil. As iniciativas incluem programas de compensação, taxas de juros mais baixas em financiamentos e outros incentivos fiscais, como a redução e, até mesmo a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), em alguns estados.

A principal ação é o Programa Nacional de Energia Solar Fotovoltaica (Pronasolar), instituído a partir de uma legislação em 2018, por meio de linhas de crédito. A iniciativa incentiva grandes projetos e a instalação de sistemas fotovoltaicos em residências, empresas e outras edificações.

Com o aumento da geração distribuída de energia solar, as empresas distribuidoras podem expandir seu mercado, uma vez que serão responsáveis pela conexão e distribuição dessa energia gerada pelos consumidores.

Já em março de 2023, um decreto presidencial incluiu o segmento de painéis fotovoltaicos no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores (Padis). Com isso, os equipamentos fabricados pelas empresas habilitadas ao programa e utilizados para a geração de energia solar passaram a ter alíquota zero de impostos de importação e de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) até dezembro de 2026.

Modelos inovadores facilitam a adesão dos consumidores

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em pesquisa realizada em parceria com o SEBRAE, o uso da energia solar é uma realidade em 14% dos pequenos negócios brasileiros. A escolha pela energia limpa não cresce apenas devido à preocupação ambiental, mas também por causa do alto impacto que a conta de energia causa nos custos operacionais das empresas.

Todos os incentivos governamentais, modelos inovadores e a possibilidade de utilização da energia solar compartilhada, como os serviços que a AXS Energia oferece, tornam ainda mais acessível a adesão do consumidor residencial a uma matriz energética sustentável e econômica.

Por meio da aquisição de uma cota, não há necessidade de obras para instalação de painéis. A energia é gerada nas fazendas solares da empresa e injetada na rede local. Hoje, a marca atende os estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso e Goiás.

Nesse modelo, o consumidor não precisa instalar placas solares e outros equipamentos para ter acesso à energia solar fotovoltaica. Posteriormente, a energia gerada pela cota é convertida em créditos que serão abatidos na conta de luz, proporcionando assim uma energia mais sustentável e econômica, com desconto de até 10%.

Gostou do artigo?

Compartilhe em suas redes sociais!

Esses posts também podem te interessar

Energia solar: como utilizá-la para reduzir os  custos da sua empresa?
Sustentabilidade

Energia solar: como utilizá-la para reduzir os custos da sua empresa?

Acessar postagem
28/jun de 2021
O que é desenvolvimento sustentável e por quê você deveria entender isso?
Sustentabilidade

O que é desenvolvimento sustentável e por quê você deveria entender isso?

Acessar postagem
12/jul de 2021
Energia solar x eólica: qual a melhor?
Sustentabilidade

Energia solar x eólica: qual a melhor?

Acessar postagem
21/jul de 2021
Dia do Combate à Poluição
Sustentabilidade

Dia do Combate à Poluição

Acessar postagem
12/ago de 2022
Países que dão uma goleada no quesito sustentabilidade
Sustentabilidade

Países que dão uma goleada no quesito sustentabilidade

Acessar postagem
01/nov de 2022
Teste 1 50º Dia Mundial do Meio Ambiente
Sustentabilidade

Teste 1 50º Dia Mundial do Meio Ambiente

Acessar postagem
31/mai de 2023
50º Dia Mundial do Meio Ambiente
Sustentabilidade

50º Dia Mundial do Meio Ambiente

Acessar postagem
05/jun de 2023
Economia circular é a base para o desenvolvimento sustentável
Sustentabilidade

Economia circular é a base para o desenvolvimento sustentável

Acessar postagem
14/jul de 2023